top of page

O Romance Quântico de João e Maria

João sempre foi fascinado por física quântica. Desde criança, ele sonhava em entender os mistérios do universo e manipular as partículas subatômicas. Por isso, quando soube que a Universidade Federal do Maranhão estava oferecendo um curso de introdução ao entrelaçamento quântico, ele não hesitou em se inscrever.

Ele queria aprender como usar essa tecnologia para se comunicar com sua namorada Maria, que morava em São Paulo. Ele imaginava que seria incrível enviar mensagens instantâneas e seguras para ela, sem precisar de internet ou celular. Ele até pensava em surpreendê-la com um teletransporte quântico no dia dos namorados.

No primeiro dia de aula, João chegou animado ao laboratório de física. Lá, ele conheceu o professor Silva, um renomado pesquisador na área de informação quântica. O professor explicou que o curso seria dividido em duas partes: uma teórica e uma prática.

Na parte teórica, os alunos aprenderiam os conceitos básicos do entrelaçamento quântico, como superposição, medição e de coerência. Na parte prática, eles realizariam experimentos com fótons entrelaçados, usando equipamentos de última geração.

João ficou impressionado com as explicações do professor Silva. Ele descobriu que o entrelaçamento quântico era um fenômeno muito mais complexo e surpreendente do que ele imaginava. Ele aprendeu que duas partículas entrelaçadas podiam compartilhar propriedades como polarização ou spin, mesmo quando estavam separadas por quilômetros ou anos-luz.

Ele aprendeu que essas propriedades só eram definidas no momento da medição, e que essa medição afetava instantaneamente a outra partícula. Ele aprendeu que isso violava o princípio da localidade, segundo o qual nada pode viajar mais rápido do que a luz. Ele aprendeu que isso também violava o princípio da realidade, segundo o qual as coisas existem independentemente da observação. Ele aprendeu que isso era um paradoxo, que desafiava a lógica e o senso comum.

João ficou intrigado com as aplicações do entrelaçamento quântico. Ele descobriu que essa tecnologia podia ser usada para criar computadores quânticos, capazes de realizar cálculos muito mais rápidos e complexos do que os computadores clássicos. Ele descobriu que essa tecnologia podia ser usada para criar criptografia quântica, capaz de garantir a segurança e a privacidade das comunicações. Ele descobriu que essa tecnologia podia ser usada para criar teletransporte quântico, capaz de transferir informação de um lugar para outro sem usar nenhum canal físico.

João ficou empolgado com as possibilidades do entrelaçamento quântico. Ele pensou que essa tecnologia poderia mudar o mundo, para melhor. Ele pensou que essa tecnologia poderia aproximar as pessoas, facilitar o conhecimento, resolver os problemas. Ele pensou que essa tecnologia poderia realizar os seus sonhos, de se comunicar com Maria, de se teletransportar para São Paulo, de viver um romance quântico.

Mas João não sabia que o entrelaçamento quântico também tinha um lado obscuro. Ele não sabia que essa tecnologia também podia ser usada para fins nefastos, como espionagem, sabotagem, guerra. Ele não sabia que essa tecnologia também podia trazer riscos, como erros, interferências, acidentes. Ele não sabia que essa tecnologia também podia ter consequências imprevisíveis, como paradoxos, dilemas, conflitos.


5 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Guest
Jun 30, 2023
Rated 5 out of 5 stars.

Bem prático explicar conceitos físicos um pouco mais complexos para quem não tem contato com o assunto e quer aprender e escutar uma boa história

Like
bottom of page